segunda-feira, 9 de março de 2015

Fwd: Sobre a diferença de sexos

> Querida Papisa Mariana a Única, Rainha do Mundo e Protetora dos Gatos,
>
> Atendendo a uma ordem sua, transcrevo o que eu disse sobre o corpo masculino ser um derivativo do corpo feminino. Aliás, sou de opinião que Vossa Majestade poderia corrigir um defeito comum às línguas ocidentais de usarem a palavra "homem" para designar nossa espécie. 
> Com efeito, na falta de conhecimento histológico (todos embriões começam com uma forma feminina), na simples comparação entre os corpos dos dois sexos mais comuns percebe-se que não se pode derivar a fôrma feminina da masculina.
> As mamas femininas bem formadas e funcionais são, no corpo masculino, meramente vestigiais. Enquanto as mulheres possuem o canal vaginal separado da uretra, no homem, eles se combinam num único duto. O pênis nada mais é que um clitóris hipertrofiado envolvendo a uretra. Os testículos nada mais que ovários atrofiados, externos, que produzem uma versão defeituosa dos óvulos, como células mal formadas, que pouco mais têm além um núcleo e um flagelo.
> Quando se considera a pequenez do cromossomo Y, o menor de todos, percebe-se que os homens, não fossem derivados  das mulheres, seriam impossíveis, pois não há genes suficientes. Isso sem nada dizer que, na falta de um útero feminino nenhum ser humano se forma. A ciência não está muito longe de que possamos prescindir do espermatozóide para reprodução, mas parece possível de substituir um útero.
> Nessas circunstâncias, considero que seria muito mais ajuizado que disséramos 'mulher' para se referir à espécie, ou 'ser mulheril', como alternativa. Igualmente, ao se referir a um grupo formado por pessoas que não todas masculinas, faz mais sentido usar o feminino plural.
> Espero que Vossa Majestade considere minha proposta digna de sua ponderação e decida como lhe aprouver.
> Seu servidor,
> Rev. Alexandre II dell'A rAppia, Amordi, &c
> A 13 dias para S. Alexandre I, véspera do Dia das Mulheres Derrubarem o Tsar, 29 aCCO

Nenhum comentário:

Postar um comentário